Até o Paul Graham pode se enganar

Até o Paul Graham pode se enganar

Eu tenho admirado muito o Paul Graham, seus escritos e a sua YCombinator. Já postei muito sobre ele aqui neste blog. Nessa semana que passou ele escreveu um novo artigo argumentando que o Venture Capital pode se dar mal com a recessão. “Could VC be a casualty of the recession?”.

Dessa vez eu vou me permitir discordar dele. A idéia central do artigo é que os VC’s estão se tornando desnecessários. O custo de começar uma startup está despencando e a nova geração de fundadores está conseguindo se virar “bootstrapping” ou com muito pouco capital de terceiros.

A queda do custo é bem óbvia, podemos ver isso aqui no Brasil também, mas o que me preocupa é que ele parece gostar muito da menor, ou nula, participação do venture capital no processo de criação de startups.

Se os empreendedores deixarem de contar com o dinheiro do venture capital eles não estarão “se dando bem” como o Graham parece achar.

O venture capital não aporta só dinheiro, é muito mais do que isso. O principal aporte é de fazer o empreendedor pensar grande, pensar excelência, pensar mudar o mundo e não apenas criar uma empresinha para se sustentar.

Quando o empreendedor tem que buscar recursos para seu projeto, ele tem que ralar muito, tem que pensar em cada aspecto do projeto. O time está forte? O mercado realmente existe? os clientes precisam mesmo disso? O modelo de negócios é mesmo viável? Esse negócio pode mesmo escalar para um patamar maior?

Será que é ruim ter que pensar longamente em tudo isso? Será que para o futuro do negócio é ruim ter que fazer muita lição de casa? Claro que não!

Depois de ralar para conseguir captar recursos, o empreendedor investido vai passar a lidar com uma convivência que vai sempre exigir o melhor dele, do seu time e do negócio. Isso é ruim?

Os gestores de VC vão apresentar o empreendedor para outros empreendedores de alto nível. Eles trocarão idéias, práticas, experiências, vão poder aprender um com o outro. Isso atrapalha ou engrandece?

Desde que comecei a lidar com o venture capital em 2001, nunca me arrenpendi, sempre percebi que no final do dia aprendi mais do que perdi.

Espero que os admiradores do Graham, como eu, não caiam na armadilha de achar que o melhor caminho para o empreendedorismo inovador passa pela extinção do venture capital. Isso é uma bobagem enorme. Há sim, uma série de empreendimentos que poderão nascer e se desenvolver sem grana de investidores, mas isso não significa que também não haja uma outra série que serão construídos com a experiência de conviver e aprender com eles.

A oportunidade que se apresenta agora é outra Graham. O momento é bom para limar do mercado aqueles investidores de primeira viagem que só vivem atrás de captar recursos, esnobar empreendedores e botar dinheiro em projetos furados. Esses podem ir pro espaço porque não farão a menor falta. Os bons VC’s devem ficar e ajudar os empreendedores a construir a nova geração de empresas inovadoras.

Como distinguir o joio do trigo? É simples. Perguntando para os empreendedores que já receberam investimento deles. Pergunte. Se o investidor não tiver nenhum empreendedor investido para te apresentar, dê a ele mais um tempo para aprender o ofício e depois volte a conversar. Enquanto isso, siga fazendo a licão de casa e procurando um bom investidor, ele certamente aparecerá para quem se prepara.

Leave Your Comment Here